Image default
Destacado

32 cervejas envenenadas da Backer

Compartilhe

32 cervejas envenenadas da Backer: Aposentadoria Especial Blog Explica: 32 cervejas envenenadas da Backer. O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou neste sábado (18) que detectou mais 11 lotes de

32 cervejas envenenadas da Backer

32 cervejas envenenadas da Backer. O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou neste sábado (18) que detectou mais 11 lotes de cervejas da Backer contaminados com a substância tóxica dietilenoglicol. Segundo o ministério, agora são 32 lotes identificados com a substância. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal
A maioria dos lotes são das cerveja Belorizontina, mas as análises mostram contaminação em outros nove rótulos. As duas novas marcas que foram identificadas contaminações são a Corleone e a Backer Trigo. As análises são realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária.
Governo notifica cervejaria a prestar esclarecimentos

Backer D2
Backer Pilsen
Backer Trigo
Brown
Capitão Senra
Capixaba
Corleone
Fargo 46
Pele Vermelha

A empresa disse que já está fazendo o recall determinado pelas autoridades.

Ministério da Agricultura identifica contaminação em 32 lotes de 10 rótulos da Backer — Foto: Reprodução/Ministério da Agricultura
O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou neste sábado que analisa se o uísque e o gim – produzidos pela Backer – estão contaminados com as substância tóxicas dietilenoglicol e monoetilenoglicol. Caso seja encontrada alguma irregularidade, eles podem ser recolhidos, segundo o Mapa.
A Backer diz que a água usada na produção do gim Lebbos e do uísque Três Lobos não é a mesma do processo cervejeiro. Segundo a empresa, o acréscimo da água no gim é realizado fora da fábrica, por um fornecedor.
Backer tem oito marcas contaminadas
Quanto ao uísque, disponível hoje no mercado, a Backer disse que ele foi engarrafado em julho de 2018, com entrada no barril cinco anos antes.
Lotes contaminados
Backer D2 L1 2007
Backer Pilsen L1 1549 / L1 1565
Backer Trigo – L1 1598
Belorizontina L2 1197 / L2 1348 / L2 1354 / L2 1455 / L2 1464 / L2 1474/ L2 1487 / L2 1546 / L2 1557 / L2 1593 / L2 1604 / L882/ L2 1467/ L2 1521/ L2 1534/ L2 1574 / L2 1552 / L2 1593 / L2 1546
Brown 1316
Capitão Senra L2 1571 / L2 1609
Capixaba L2 1348
Corleone 1121
Fargo 46 L1 4000
Pele Vermelha L1 1345 / L1 1448 / 1284
Resumo:

Uma força-tarefa da polícia investiga 18 notificações de pessoas contaminadas após consumir cerveja; quatro morreram;
Os sintomas da intoxicação incluem náusea, vômito e dor abdominal, que evoluem para insuficiência renal e alterações neurológicas;
O Ministério da Agricultura identificou 21 lotes de cerveja da Backer contaminados com dietileglicol, um anticongelante tóxico;
A Backer nega usar o dietilenoglicol na fabricação da cerveja;
A cervejaria foi interditada, precisou fazer recall e interromper as vendas de todos os lotes produzidos desde outubro;
Diretora da cervejaria disse que não sabe o que está acontecendo e pediu que clientes não consumam a cerveja

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda de qualquer tipo de cerveja da empresa. Agora não são apenas os lotes contaminados que devem sair das prateleiras. …


Compartilhe

Você também pode se interessar por

Carregando...