Image default
Destacado

Dólar fecha colado em máximas recordes ante real na véspera de ata do Copom

Compartilhe

Dólar fecha colado em máximas recordes ante real na véspera de ata do Copom: Aposentadoria Especial Blog Explica: Por José de Castro SÃO PAULO (Reuters) – O dólar ficou perto da estabilidade ante o real nesta segunda-feira, colado em máximas recordes depois de ensaiar

Dólar fecha colado em máximas recordes ante real na véspera de ata do Copom

Por José de Castro
SÃO PAULO (Reuters) – O dólar ficou perto da estabilidade ante o real nesta segunda-feira, colado em máximas recordes depois de ensaiar queda mais cedo na sessão, num dia sem grandes catalisadores nos mercados financeiros globais e na véspera da divulgação de documento no qual o Banco Central pode dar mais sinalizações sobre o juro básico, variável que tem tido influência sobre a taxa de câmbio.
O BC adotou um tom mais duro em seu comunicado de política monetária da semana passada, citando interrupção do ciclo de cortes da Selic, mas alguns analistas avaliam que a ata do Copom poderá não fechar totalmente a porta para novas reduções de taxa.
A queda dos juros a mínimas recordes tem minado a atratividade do real, uma vez que reduz a “vantagem” dos juros locais em relação a outros mercados emergentes.
“Não vemos indícios de redução mais rápida da ociosidade (da economia) nem de qualquer pressão altista mais duradoura na inflação. Assim, as atuais condições macroeconômicas domésticas e externas ainda mostram espaço para quedas adicionais da Selic”, disse a gestora Kapitalo em carta mensal. A Kapitalo, porém, diz que segue “comprada” em real –ou seja, apostando na valorização da divisa brasileira.
O dólar à vista fechou a 4,3209 reais na venda, ante taxa de 4,3210 reais na venda, a máxima recorde para um encerramento de sessão.
Na B3, o dólar futuro tinha variação positiva de 0,08%, a 4,3295 reais.
A força do dólar foi mais visível nesta sessão sobretudo ante divisas de países exportadores de commodities, como peso colombiano, que caía a mínimas em dois meses em meio à queda nos preços do petróleo. O índice CRB de matérias-primas cedia 0,7%, não distante de mínimas desde agosto do ano passado.
A desvalorização das commodities pressiona o chamado termos de troca (razão entre preços de exportações e importações), o que reduz a entrada de dólares via comércio exterior.

Notícias Recomendadas para Você


Compartilhe

Você também pode se interessar por

Carregando...