Poupar no longo prazo exige muita disciplina e sacrifício

Poupar no longo prazo exige muita disciplina e sacrifício: Aposentadoria Especial Blog Explica: SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Todos sabem as regras do emagrecimento. Bastam uma dieta saudável e balanceada e a prática de atividades físicas. Poupar pensando em previdência é bem parecido. Fácil falar, mas difícil executar. Por isso, o caminho é entender a necessidade de renda no futuro, definir o valor a ser poupado, criar barreiras …

Poupar no longo prazo exige muita disciplina e sacrifício

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Todos sabem as regras do emagrecimento. Bastam uma dieta saudável e balanceada e a prática de atividades físicas.Poupar pensando em previdência é bem parecido. Fácil falar, mas difícil executar. Por isso, o caminho é entender a necessidade de renda no futuro, definir o valor a ser poupado, criar barreiras para acessá-lo com facilidade e estudar os investimentos.Consciente dessa necessidade, é preciso treinar a mente. A pessoa deve se acostumar a ignorar parte da renda atual, diz a pro-reitora nacional de pesquisa da Escola Superior de Propaganda e Marketing e especialista em economia do consumo, Cristina Helena Pinto Mello.“Existe um conceito chamado contabilidade mental. O cérebro trabalha com caixinhas. E você deve atribuir parte do orçamento a cada uma dessas caixas.”Nesse momento do planejamento, já aparecem algumas dificuldades. Por exemplo, pensar em deixar de lado alguns gastos com consumo e lazer para investir. Além de colocar as contas no papel, os valores devem ser muito bem definidos nas “caixinhas mentais”.O engenheiro automotivo Eduardo Bastos, 35, de Indaiatuba (SP), passou por esse momento. Depois de saber sobre as experiências de colegas do trabalho no mercado de ações, ficou interessado. Enxergou a possibilidade de se aposentar melhor por meio de investimentos.Em 2007, deu início aos investimentos para previdência. “Fiz uma planilha que previa investimento de R$ 500 ao mês.”Acostumado com contas, Bastos não teve dificuldades em apertar seus gastos de consumo para fazer a reserva. “Eu queria chegar a R$ 1 milhão”, lembra aos risos. O valor ainda não foi atingido, segundo ele, devido à aquisição da casa própria, mas ainda é um objetivo.“Disciplina não é natural do ser humano. Então qual é o motivo para a gente não poupar? É que poupar é um sacrifício. Benefício é consumir”, diz o professor de finanças do Insper Michel Viriato.O especialista lembra que, depois de planejar, é necessário disciplinar a atividade de investir. E faz uma analogia com a escovação de dentes. “O benefício é de longo prazo. Se deixar de lado, vai ter prejuízo lá na frente. Poupar é a mesma coisa.”Cristina orienta ainda evitar o desconto hiperbólico comum nas pessoas. “É uma percepção errada do futuro. Ou a gente acha que será muito fácil ou que será superdifícil chegar lá [investindo].” Esse pensamento, normalmente, atrapalha o pensamento estratégico do investidor e interfere em sua dedicação.Segundo os especialistas ouvidos pela reportagem, usar transferências automáticas para uma segunda conta bancária é um bom começo para se acostumar com os investimentos.Esse direcionamento pode ser até para a caderneta de poupança. Mesmo com a baixa rentabilidade real da aplicaç …

Compartilhe
- Advertisement -spot_img

Leia Mais

Recente

Compartilhe